Operação da PF no Amapá e em Londres investiga corrupção em concessão de ferrovia Featured

A Polícia Federal deflagrou, nesta quinta-feira (14), a Operação Sem Fronteiras que apura um esquema de corrupção internacional envolvendo a concessão, em 2013, da Estrada de Ferro Amapá (EFA) para uma empresa multinacional de mineração, vinculada à Assembleia Legislativa do Amapá.

A operação ocorre com o apoio da Procuradoria Regional da República da 1ª Região (MPF) e da Polícia Metropolitana de Londres (Metropolitan Police – conhecida como Scotland Yard),

Foram cumpridos dois Mandados de busca e apreensão em Londres, no Reino Unido, pela Scotland Yard, com o apoio da Polícia Federal em Londres.

A investigação é desdobramento da Operação Caminho do Ferro, deflagrada em março de 2016 para apurar suposto pagamento de US$ 5 milhões à título de propina para parlamentar estadual.

O valor teria sido pago por empresários ligados à mineradora multinacional em troca da anuência da Assembleia Legislativa do Amapá para a transferência da concessão da Estrada de Ferro do Amapá (EFA) para a referida empresa.

“Nesta fase da investigação, a Polícia Federal visa colher novos elementos de provas para apurar a participação do denominado núcleo internacional, o qual é composto por empresários e consultores internacionais, que residem no Reino Unido, e teriam envolvimento com a empresa estrangeira e os fatos investigados”, informou a PF.

“Para que a deflagração desta operação fosse possível, a Polícia Federal formulou, via cooperação jurídica internacional, pedidos de medidas investigativas e judiciais ao Reino Unido, embasando-se em Acordo de Cooperação existente entre os dois países”, acrescenta a nota da Polícia Federal.

O nome da operação, Sem Fronteiras, é uma referência ao fato da atuação investigativa da Polícia Federal poder ser realizada em outros países, não existindo barreiras para o combate à criminalidade transnacional.

Rate this item
(0 votes)

Deixe um comentário em nosso mural

Certifique-se de inserir todas as informações necessárias, indicadas por um asterisco (*). Código HTML não é permitido.