Print this page

Testes de Covid-19 pelo WhatsApp leva dois suspeitos à prisão em Fortaleza Featured

Uma das pessoas detidas é auxiliar de enfermagem, que aplicava os testes vendidos por meio de aplicativo de mensagens sem autorização

Duas pessoas foram presas em Fortaleza por vender e aplicar de forma irregular testes para a detecção de Covid-19. Uma das detidas é uma auxiliar de enfermagem de 42 anos, que aplicava os exames nos compradores. Também foi levado pela polícia um homem de 36 anos, que vendia os testes usando aplicativos de mensagens instantâneas.

As prisões foram feitas pela Polícia Civil, que após uma troca de informações com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), investigou o caso. Além dos dois suspeitos, os agentes de segurança chegaram ainda a uma empresa de factoring localizada na Rua Padre Valdevino, Bairro Aldeota. Ali foram achadas 24 caixas de testes rápidos para Covid-19, contendo 458 kits. Também foi encontrada pela polícia uma nota fiscal emitida por uma distribuidora de medicamentos no valor de R$ 350 mil. Já foi feita a identificação dos proprietários do estabelecimento, mas a polícia ainda trabalha na localização dos suspeitos.

A Secretaria da Saúde confirmou que nenhum dos têm permissão para vender ou manipular este tipo de teste. Os dois detidos até o momento foram levados para a Delegacia de Combate a Corrupção (Decor) e autuados em flagrante por crime contra a incolumidade pública, que proíbe falsificar, corromper, adulterar ou alterar produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais. Conforme o Código Penal, a pena prevista é de reclusão de 10 a 15 anos, além de multa.

D/N

Rate this item
(0 votes)
Carlos Juca