Jovem faz uso de silicone industrial e tem parte do corpo necrosado

Há uma grande discussão sobre as próteses utilizadas por mulheres e homens para ter aumento na bunda, nos peitos e até nas coxas. Diversos são os casos em que existem complicações por causa dos implantes. No Facebook, a página Realengo Ao Vivo, trouxe mais um caso em que a situação não está nada bem para a pessoa que decidiu fazer o uso de silicone industrial. O desabafo foi copiado de um indivíduo que está indignado com o estado de saúde da irmã, que estaria em estado grave em um hospital. A página não identificou quem são as pessoas, mas o relato, que contém imagem, é chocante.

A pessoa começa a publicação pedindo que todos que puderem compartilhem a história, para mostrar o quão perigoso é o uso do silicone industrial. Conforme o relato, tudo começou quando a irmã, que também não foi identificada, ligou para uma loja que trabalha com o silicone industrial. De acordo com a postagem, o dono do comércio se chama Ruberval Corrêa da Silva, que é conhecido no meio LGBT, comercializando muitos produtos.

Foi informado para a mulher que o silicone que ela sempre usava para fazer retoque no bumbum estava em falta. Conforme o irmão da vítima, o dono da loja teria o “olho gordo” e sugeriu que ela pegasse de outra marca, pelo Mercado Livre. O comerciante ainda teria afirmado que todos os silicones são iguais e que não faria diferença mudar a marca. Após a chegada da mercadoria, tudo parecia em ordem, até que se iniciou o procedimento de retoque.

A vítima já teria relatado que na hora da troca ela sentiu uma queimação horrível. Por sua vez, o “profissional” teria dito que era normal, pois o silicone anterior estava muito velho. No entanto, horas depois do implante, vários hematomas, com aparência de queimaduras, começaram a aparecer no bumbum da mulher. Novamente, o homem responsável pelo implante afirmou que aquilo era normal, que apenas a pele tinha esticado. Assim que a troca foi feita, o rapaz relata que Roberval pegou o dinheiro e foi embora para Belém do Pará.

Após três dias de dor e febre, a mulher foi para o hospital, onde descobriu que o seu bumbum estava necrosado e que uma infecção havia se espalhado por todo o corpo. A vítima já fez cinco cirurgias para remover o silicone e estaria em coma há três semanas. Quando estava se recuperando, a mulher ainda teve uma parada cardíaca. As últimas informações são de que a vítima teve uma lesão cerebral e está parcialmente imóvel, sem poder ver e ouvir. O estado da mulher é grave, conforme a postagem.

Notícias Relacionadas

Os comentários estão fechados






© 2015 CN CARIRI - Todos os direitos reservados.
Projetado por: Onsize Desenvolvimento de Sistemas Ltda